Inhotim – Brumadinho/MG

Written by doisnocaminho

Já conhece Inhotim? Em 2015, tivemos a oportunidade de visitar esse lugar mágico, que mistura arte e natureza. O lugar é enorme! Por isso vá com tempo e prepare as pernas. Desconheço alguém que tenha saído decepcionado com Inhotim. Inhotim recebe turistas do mundo inteiro e, normalmente, todos saem maravilhados com o lugar.

O Instituto Inhotim começou a ser idealizado pelo empresário mineiro Bernardo de Mello Paz a partir de meados da década de 1980. A propriedade privada se transformou com o tempo, tornando-se um lugar singular, com um dos mais relevantes acervos de arte contemporânea do mundo e uma coleção botânica que reúne espécies raras e de todos os continentes. Os acervos são mobilizados para o desenvolvimento de atividades educativas e sociais para públicos de faixas etárias distintas. O Inhotim, uma Oscip (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público), tem construído ainda diversas áreas de interlocução com a comunidade de seu entorno. Com atuação multidisciplinar, o Inhotim se consolida, a cada dia, como um agente propulsor do desenvolvimento humano sustentável.

Inhotim – Brumadinho/MG



O parque está localizado no Vale do Paraopeba, na cidade de Brumadinho, a mais ou menos 60km de Belo Horizonte, e possui belezas naturais, riquezas históricas e culturais. Com uma população de 35 mil habitantes, a cidade tem uma área de 634,4 km² e está situado no final do Maciço do Espinhaço e início do Tabuleiro do Oeste. Desde sua criação, o Instituto Inhotim estabeleceu relações multidimensionais com a cidade, seja como local de trabalho para a população seja como agente propulsor de desenvolvimento social, educativo e cultural.

Avisita a Inhotim é indescritível (não se contente apenas em ver sites, revistas e ouvir falar sobre Inhotim. Vá à Inhotim!), na acepção mais literal da palavra. Você pode até achar que já viu isso antes — um jardim de esculturas, um museu dentro de um parque — mas a dimensão do lugar, e a relação das obras com o espaço, fazem da visita a  Inhotim uma experiência singular.

É engraçado estarmos falando assim de Inhotim, pois não somos “ratos” de museu, digo, não frequentamos com muita intensidade locais do mesmo gênero, salvo umas 5 vezes ao ano. Temos pouca paciência com o gênero. 90 minutos, duas horas no máximo é o que agüentamos antes de virar abóbora (rs). Até a cara de conteúdo eu costumo perder no meio do caminho. Em museus grandes e, sobretudo, em bienais, acabamos por sofrer uma overdose conceitual. Um coma artístico, digamos assim.

Mas em Inhotim garantimos, é diferente de toda experiência que você já viveu. Não somos especialistas em arte, mas fomos tocados por tudo o que vimos. Nada passa batido. Pelo menos algum dos seus sentidos vai entender por que aquilo foi posto lá para você contemplar e até mesmo interagir. Algo que faz você curtir mais as obras e não sofrer com uma “indigestão cerebral”, é a existência de um respiro na sua visita entre uma obra e outra. No caminho entre uma galeria e a outra você descansa a vista e a cabeça admirando o paisagismo e toda fauna e flora de Inhotim. Dá tempo de refletir, digerir e ficar com vontade de entrar na próxima.

Depois da terceira galeria, nos sentimos num parque temático de arte contemporânea. A terceira onda do  Inhotim são as instalações site-specific: o artista selecionado escolhe um local determinado e cria, não apenas a obra para aquele lugar, como interfere na concepção do edifício que vai abrigar a obra.



Não vamos citar obras, porque não vimos tudo e temos certeza que deixamos algumas das mais bacanas de fora. É importante dizer que, se você puder, estenda a sua visita em mais um dia. Ou fique com mais uma desculpa para voltar o mais breve possível a região.

Horário e ingresso

Inhotim abre de terça a sexta das 9h30 às 16h30 e sábado, domingo e feriados das 9h30 às 17h30. O ingresso custa R$ 20. Aceita-se cartões de crédito. Dá para comprar online (clique aqui).

Jardineiras elétricas levam às obras mais distantes. Pessoas com dificuldade de locomoção podem usar o serviço gratuitamente (com direito a um acompanhante). Os demais precisam comprar o serviço à parte; custa R$ 20 e você ganha a pulseirinha que libera o uso das jardineiras.

Como chegar

Veja todas as possibilidades, atualizadas, aqui.

Restaurantes

Há um bistrozinho (o Bar do Ganso), um bom restaurnate de buffet e duas lanchonetes. Um bandejão está nos planos.

Dica:

O melhor jeito de visitar  Inhotim é ir durante a semana, pernoitando numa pousada da região. Assim você percorre o espaço com calma e menos público. A melhor pousada da região parece ser a Estalagem do Mirante. De lá você pode ainda passar um dia em Ouro Preto ou ir direto para Belo Horizonte curtir os prazeres da capital.

Leia também:

Inhotim no Matraqueando, por Silvia Oliveira

Inhotim no Turomaquia, por Patricia de Camargo 

Inhotim no Pergaminho eletrônico, por Meilin Guia

Inhotim na revista T do New York Times 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *